ENTREVISTA COM A BANDA THE SALAD MAKER


Aproveitamos a véspera do lançamento do novo clipe do The Salad Maker para bater um papo com a banda sobre a experiência em Londres, o  retorno pro Brasil, o disco “Only Music Now!” , identidade musical, projetos para 2012 e é claro, sobre o a produção do vídeo clipe ““Between Dreams”, que estréia amanhã aqui no Monophono. Confiram abaixo:

1- Monophono: A banda residiu em Londres durante dois anos. Neste período quais foram os principais acontecimentos que contribuíram para o amadurecimento da banda, assim como no processo de criação das músicas?
Vanzella:
Acredito que todas as experiências passadas lá foram determinantes para o amadurecimento da banda. Desde solidão, que fez com que surgissem músicas como “One Night Girls“, até a convivência com uma cultura distinta que faz você pensar em coisas diferentes, o que fez surgir a música “Pax“.

2- Monophono: Como foi o processo de transição EUROPA | BRASIL em relação a casas de shows, estrutura e público? Houve uma resposta positiva quanto a isso?
Vanzella:
Qualquer mudança tem ganhos e perdas, por um lado você perde em quantidade e qualidade das casas, mas ganha em relação a contatos e oportunidades. Afinal de contas foram quase dois anos de banda em Londres, e são mais de 15 anos de música no Brasil entre projetos antigos e The Salad Maker.

3- Monophono: Em 2011 o The Salad Maker lançou o album “Only Music Now!” Via Pisces Records. Como tem sido a divulgação e a recepção do público tanto na internet quanto nas cidades por onde a banda passa?
Romano: Tem sido ótima. O Álbum foi a maior representação que nós obtivemos como banda até agora e temos a certeza com a recepção de cada local que passamos em 2011, que o trabalho está muito bem feito. Conseguimos até nosso primeiro fã clube, o @TSM_Brasilia que foi originado após um festival que participamos em Dezembro naquela cidade.

4- Monophono: Uma prática comum entre os músicos do TSM era se apresentar nas ruas de Londres, divulgando seu trabalho e ainda ganhando algum dinheiro por isso. Essa experiência já rolou aqui no Brasil? Se sim, qual a diferença entre a reação das pessoas?
Vanzella: Nunca fizemos algo assim no Brasil. Em Londres eu fazia por estar cansado de não ter banda, de estar sozinho. Eu comecei a fazer isso pra treinar, não podia tocar em casa, pois os flat mates não gostavam, a vizinhança não gostava. Deu certo e continuei, depois comecei com o TSM e aí comecei a vender os CDs enquanto eu tocava, mas não com a intenção de promover, apenas fazer uma grana a mais. Com relação ao Brasil, ainda não rolou a necessidade, mas nunca se sabe.

5- Monophono: É possível perceber uma preocupação da banda com a sua identidade, seja através do site, dos vídeos, da produção diferenciada nas artes do álbum, etc. Como a banda administra isso e qual a importância de se ter uma identidade diferenciada?
Romano: Diferenciada eu acho que não. Na verdade, esta identidade nada mais é que uma mescla de um pouco de cada personalidade de nós. Um exemplo, o Pandorf tem uma marca de roupas, a Elephant, então nós unimos esta habilidade/facilidade de ele mexer com tecidos e criamos as capinhas inéditas até então. Outro exemplo é o nosso circulo de amizades, que em sua maioria são publicitários, músicos, designers que nos ajudam e nos influenciam muito nas escolhas das ações visuais da banda. Por fim acredito que tudo o que uma banda mostra vem um pouco da onde ela convive.

6- Monophono: Segundo uma afirmação do vocalista Renato Vanzella, a banda deve funcionar como uma empresa. Como são divididos os setores desta empresa? Quem é responsável por cada setor e qual o dia a dia de trabalho?
Vanzella: A gente se organiza da forma que dá, cada um cuida de alguma coisa de acordo com sua característica, dom e tempo. Todo trabalho da banda é diário. Sempre nos preocupamos com a comunicação com o público, comunicação com as mídias, desenvolvimento de novas ideias, produção do show, venda de shows, avaliação de resultados e financeiro.

7- Monophono: Existe um tabu por parte do público em relação a bandas brasileiras que se consagraram cantando em inglês e que em algum momento da carreira resolveram produzir músicas em português, como aconteceu com as bandas Hatten, Wry?, Forgotten Boys, entre outras. Vocês tem algum projeto neste sentido?
Romano: Existe tabu com aborto, a camisinha, o ateísmo… Enfim, tantas coisas que se você parar para ouvir todo mundo a sua vida fica trancada em uma dessas gavetas de “tendências” que vemos por ai. É uma coisa que sempre comentamos, a TSM é uma banda livre, então nós pretendemos sim um dia compor em português, espanhol e até em francês. Nós até criamos um estilo próprio para enquadrar nosso som. Chama-se “Free Rock” (rs).

8- Monophono: O site da banda está passando por uma reformulação. Quais serão as novidades que os visitantes encontrarão ao navegar por lá?
Romano:
Encontrarão as infos mais organizadas e o layout mais característico com essa fase que estamos passando. Que é uma fase mais livre e mais amadurecida. Além disso, temos a ideia de deixar o site mais pessoal e menos informativo. Compramos uma câmera recentemente e vamos fazer algumas coisas durante nossas turnês em 2012. Vai ser bacana!

9- Monophono: Além do lançamento do novo site, está previsto para o dia 13 de março o lançamento de um novo vídeo clipe aqui no Monophono, para o single “Between Dreams”, que faz parte do álbum “Only Music Now!”. Comentem sobre a produção, filmagem, idealização e participações deste vídeo clipe conceitual.
Vanzella:
Dois grandes amigos nossos escutaram o “Only Music Now!” e piraram no cd. Eles tiveram uma grande ideia para a o clipe de Between Dreams, nos contaram e topamos logo de cara. Nos viramos para fazer a produção do clipe com amigos, muita boa vontade e criatividade , já que dinheiro não existia. O roteiro é mito forte, inovador, então muitas pessoas nos ajudaram, como é o caso da Liberta Filmes, que “comprou” o projeto e finalizou o clipe por acreditar no trabalho.

10- Monophono: Por fim, quais são os planos da banda para 2012 com relação à divulgação, merchandising, turnê e projetos em geral?
Vanzella: Existem diversos projetos subdivididos em dois planos. Primeiro plano, o clipe deu uma excelente repercussão. Segundo plano, o clipe foi um desastre. Mas com certeza existem alguns projetos que fazem partes dos dois planos, como lançamento de merch tematizado, turnê de lançamento do clipe iniciando dia 25/03 na Casa do Mancha, distribuição digital de todos nossos CDs e mais clipes. Vamos trabalhar pesado esse ano, isso a TSM garante.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: